AULA QUE VALE A PENA
                                           Técnicas e Práticas do professor resiliente
                                    Um estudo

  



                
A Aula que vale a pena Técnicas e Práticas do professor resiliente

Público-alvo da pesquisa:  treinadores, instrutores, monitores, coordenadores, professores, 
mestres, maestros, educadores, facilitadores, cuidadores, disciplinadores, reabilitadores, 
condutores, guias, organizadores, orientadores, mentores, pais, mães, avós.

TÓPICOS de Reflexão

·         Todo professor já pensou em desistir. O que o faz continuar.

·         O que realmente interessa na docência.

·         O que é possível mudar.

·         Qual é o professor ideal.

·         Qual é o aluno ideal.

·         Qual será a escola ideal.

·         Qual será o futuro do Ensino.

·         Qual experiência educacional sobreviverá.

·         A mãe é a melhor professora.

·         O que ensina o pai.

·         Qual o papel dos avós.

·         Quando nenhum método funciona.

·         Quando tudo está fora de controle.

·         Quando é preciso resignificar cada palavra.

·         Qual a didática que satisfaz.

·         Resiliência,  epistemologia, cultura, religião, filosofia & ética.

·         A música como ferramenta de socialização.

·         A arte como reflexão.

·         A consciência política.

·         Conflitos, dissonâncias & frustrações.

·         Avaliar e ser avaliado.

·         Relatórios, registros.

·         Objetivos, agendas, metas, disponibilidades.

·         Eficiência x Deficiência.

·         Excelência fazendo o que tem que ser feito.

·         Alternativo, conservador, inovador.

·         Tecnologia, parceria, compartilhar solidário.

·         Comunicação.

·         Ministrando a Aula que vale a pena.

·         Inovação educacional para as próximas décadas.

·         Sentindo-se realizado pela aula dada.


   A Aula que vale a pena Técnicas e Práticas do professor resiliente


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

DEPOIMENTOS

1 - Sandra Almeida 

 "A aula que vale a pena é aquela que satisfaz o aluno e o professor.

É a aula que inquieta, instiga, provoca o pensar.

É a aula, na qual não existe quem sabe mais ou quem sabe menos. Ao contrário, é a aula onde aluno e professor, são parceiros na grande aventura de aprender.

É a aula que possibilita a invenção e a reinvenção da história de cada um; que possibilita a leitura e interpretação do mundo de um modo crítico, porém, humano.

É a aula que permite o “boom” do conhecimento de modo suave, numa atmosfera de conforto emocional...

É a aula que resulta em crescimento e realização pessoal."

Sandra Almeida    
Dirgente ONG Moreninha - MA, Diretora Cultura

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC


2 - Tato Fischer
 
A aula ideal.

"Penso que não exista uma aula ideal. Mas poderá haver uma aula descontraída, agradável, arejada, em que alunos e professor(es) ali estejam por gostarem de ali estar, por quererem estar ali.

 Com papos desobrigados, cada um buscando contar um pouco de sua experiência. Trocando figurinhas para crescer. Cada um desfrutando de tudo o que o outro traz para o convívio.

Algo o mais parecido possível com um bate-papo informal, contudo o  assunto de cada encontro já estaria combinado e preparado anteriormente pelos membros: todos vêm já inteirados do que se conversará nesse dia. E com conteúdo e material para falar e discutir sobre o tema.

Os assuntos seriam sempre avaliados de acordo com a necessidade de todos os participantes, e de cada um deles, permitindo o compartilhamento do conhecimento de cada um por todos os membros do grupo. Tudo seria dividido irmãmente, cada um aprendendo com todos os outros.

Isso me parece algo próximo do que deveria ser uma Aula Ideal."

Tato Fischer    
Professor de canto, pianista, arranjador, compositor, mágico, psicólogo.

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

3 - Alessandra Bogajo
  
A AULA IDEAL!

"Aula acontece todos os dias em nossas vidas quando aprendemos e ensinamos algo; quando trocamos conhecimento – isso que estamos fazendo agora.

Muitos confundem aula apenas acontecendo num recinto fechado denominado sala de aula. A EAD ( que é um processo educativo no qual o "aluno" é sujeito ATIVO na construção do conhecimento ) já vem mudando esse conceito e o nosso paradigma de mundo cada vez mais nos empurrando para o mundo todo. O "Google" é aula; o nosso filho é aula; até aquele indivíduo que quando você está na fila, no mercado, para comprar embutidos, pede: - “Me dá 'trezentas gramas' de mortadela!” (sabe-se que é o grama, e o correto é trezentos gramas) é aula!

Importante salientar que, na educação formal, existem os espaços regulamentados por lei, certificadoras, organizadas segundo diretrizes nacionais. Na educação não- formal, os espaços educativos acompanham as trajetórias da vida, de cada grupo ou indivíduo; fora das escolas em locais informais – acontecem as interações intencionais.

A educação é uma só; a formal depende da informal e vice- versa. Então temos educações e AULAS!

A docência passa a acontecer nos nossos cotidianos e estamos, com toda a tecnologia existente, voltando aos nossos antepassados quando, por exemplo, usavam da "endoculturação" (aprender de maneira intencional; transmitindo de geração a geração as bagagens culturais através da relação com a natureza) em suas sociedades. Esse saber da comunidade era mais reduzido a espaços menores, hoje, ampliado ao mundo todo com o advento da internet/globalização.

O que realmente interessa para a docência é fazer com que o outro indivíduo cresça, transforme-se, aprenda, apreenda! (mude a sua realidade do momento para as ulteriores)."

Leia mais: 
http://www.doisdobrasil.com/alessandra.bogajo.php

MAIS DICAS DA ALESSANDRA:
22/07/15
A Universidade de São Paulo (USP) oferece, gratuitamente, material em vídeo do curso online "Introdução aos Estudos da Educação I". A disciplina está voltada para a formação de professores da educação básica.
Acesse as aulas aqui >
bit.ly/1HJuZG5

23/07/15
Olá, bom dia! Hoje, criando autoria para o meu TCC lembrei de um autor muito bom para explicar a CULTURA DIGITAL que não pode ficar esquecida no nosso paradigma de mundo, aliás é intrínseca a esse e o constrói- segue um link legal para sua leitura: 
http://abciber.org.br/publicacoes/livro1/textos/cibercultura-como-territorio-recombinante1/
O autor André Lemos é importante na área de cultura digital. Abraços.

Alessandra Bogajo   

Professora na Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo.

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

4 - José Amaral
 “A educação tem um papel muito importante, desde que ela seja crítica, e não uma educação que seja meramente para domesticar as cabeças.”

José Amaral  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC
 
5 - Ricardo Ferrara

 "Não existe aula ideal, nem aluno ideal, nem professor ideal. Há sim, a aula real, a que atende ou não as demandas do aluno. Há o aluno real, que traz potencialidades e dificuldades a serem trabalhadas. E há o professor real, que a partir da realidade de seus alunos, de seu arcabouço cultural e repertório de vida, trabalha o conteúdo, bem como a forma de comunicar. Penso que aqui está a chave: saber comunicar, como despertar a atenção e o interesse do aluno em situações em que ele não está disposto a aprender. Cabe ao professor demonstrar seu interesse pelo aluno, proximidade, fazendo o aluno compreender que o professor não é seu inimigo, mas um parceiro, um aliado na construção de seus conceitos e conhecimento."  

Ricardo CzepurnyjFerrara 
 

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC
 

6 - Ivandel Alves
Aula Ideal

A Aula que vale a pena

"A aula ideal é a utopia que todos, professores e alunos, devemos incansavelmente buscar. Que se destina à atenção seletiva durante todo o tempo. Que se permite calorosa e gentilmente a perguntas pertinentes e instigadoras, a respostas claras, reflexivas e inspiradoras;  a atividades vivenciais que proporcionam a troca de experiências reais e de sonhos, que tocam a alma e a consciência. Em um ambiente descontraído e cordial, de onde se sai e dá, instantaneamente, desejo de correr e abrir o peito a um novo mundo, mostrando que algo mudou e cresceu. E uma vontade imensa de voltar. De pertencer para sempre."

Ivandel Alves  
Jornalista, Professor/Consultor Corporativo e Coach na empresa Ivandel Alves Educação Continuada e Treinamento

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

7 - Adriano Castelo Branco



Adriano Castelo Branco  


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC


8 - Gisele Souza Costa

" A AULA QUE VALE A PENA: pelos anos de trabalho já vividos em sala de aula, penso que a aula que vale a pena ser dada é aquela em que você, como professor, consegue aplicar teoria e prática. Começo, meio e fim. -Começo: a partir de um bom planejamento; sem firulas, com bons objetivos e propostas, sem ser baseado no livro didático adotado aquele ano; real. -Meio: com estratégias de discussão que contemplem interesses de toda comunidade escolar. Envolvam os alunos e facilitem a mediação do professor. -Fim: com alunos que conseguem enxergar além e ganham instrumentos de aplicação no mundo real, seja na escrita de um bilhete importante, ou na conta do troco na padaria; mas que abra o leque de possibilidades e suporte para vida. Enfim, considero que a aula que vale a pena seja a aula "completa", que todo professor queira dar para fazer valer a pena esforço, tempo e dedicação de todos os envolvidos."

Gisele Souza Costa  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

9. Viviane Ponzeto

"Uma aula que vale à pena é aquela que consegue transformar professor e aluno; ou como dizia Alicia Fernandez, psicopedagoga argentina, é quando o professor consegue assumir papel de aprendente e dá a seu aluno a chance de ser o ensinante. Essa troca inteligente e humilde torna significativo o processo de ensino-aprendizagem e permite assim que aluno e professor tenham êxito na aula em questão. Afinal, uma aula que vale à pena tem de fazer sentido para todos que estão envolvidos nesse árduo processo que é a arte de ensinar. Um filme que me tocou muito e exemplifica claramente esse questão é Como estrelas na terra. Vale à pena assistir e refletir sobre o papel de cada personagem, trazendo em seguida para nossa realidade e adaptando de acordo com nossos conceitos e necessidades."

Viviane Ponzeto  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

10 - Adriana Bressan

"A aula que vale a pena é aula que há aprendizado dos envolvidos, professor aluno e vice versa. Pode ser uma visão utópica demais para os dias atuais de nossa educação. Vejo nos meus alunos, quando o assunto é despertado pelo professor o tema é bem desenvolvido, as visões, opiniões e a teoria complementam e refletem o conhecimento sendo aplicável ou não. O importante são as relações construídas. A educação precisa humanizar pra encontrarmos os melhores caminhos. Bj amiga espero ter ajudado mas é o que penso pois é o momento que vivo hoje..."

Adriana Bressan  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

11 - Alessandro de Souza

"Quando o professor constrói um vínculo com o aluno, em todas as suas possibilidades, consegue desenvolver um trabalho completo e atraente e nesses momentos aparecem situações que mostram realmente que cada segundo de planejamento e cada suor derramado para elaborar técnicas e fazer pesquisas valem a pena.

Procuro utilizar e atualizar minhas técnicas para o desenvolvimento do conteúdo, procurando de alguma forma atrair a atenção e a vontade dos alunos para aprenderem e desenvolverem conceitos na prática, refletindo sua utilidade.

Principalmente em Matemática, é possível utilizar diversas técnicas, desde um jogo construído com papel até softwares interativos.

Quando vale a pena? Quando vemos os resultados aparecerem das mais diversas formas possíveis, e principalmente quando vemos esses resultados acompanhados de um sorriso sincero e de gratidão de cada aluno, mostrando e colocando em prática o que aprendeu."

Alessandro de Souza  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

12 - Eron Pinheiro

"Feliz do aluno que consegue perceber desde cedo, o verdadeiro significado do estudo em sua vida. A família tem, com certeza muita importância na formação do indivíduo, orientando o mesmo em suas tarefas e direcionando-o para uma profissão. Ao professor, cabe sempre a transmissão de novos conhecimentos. Estar apto para uma profissão, ter capacidade para exercer a mesma, em um mercado de trabalho cada dia mais concorrido requer cada vez mais preparo. No meu modo de pensar, não existe uma aula ou momento ideal para o aluno, existe sim uma necessidade, cada dia maior do ensino, de um modo geral estar preparado com todas as ferramentas disponíveis no mercado para dar sempre o melhor a todos os alunos que buscam informações e se preparam para o futuro com sua profissão."

Eron Pinheiro   

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

13 - Claudia Taveira

"A motivação é essencial ao desenvolvimento e à realização de projetos pessoais, pois favorece a manutenção do empenho necessário, mesmo quando as dificuldades se apresentam. 

No processo de aprendizagem, podendo também ser denominado de procedimentos do saber aprender, a determinação de metas também é de grande utilidade. 

Isso ocorre, quando o enfoque é dado como algo que foi estabelecido pelo aprendente e lhe servirá como um orientador, um destino a se chegar. 

Essa maneira de ver, mobilizará o indivíduo a elaborar planejamentos, considerando, antecipadamente, possíveis dificuldades e assim, já buscará estratégias que utilizará para superá-las. 

Também é válido afirmar que o estabelecimento e cumprimento de metas, além da motivação que proporciona aos sujeitos, está vinculado a uma recompensa que esse terá para seu empenho pessoal, que pode estar combinado a algum prêmio por ele estabelecido. 

Havendo objetivos, o estudante reduzirá possível comportamento procrastinador, cumprindo, sem atropelos, prazos para entrega de trabalhos solicitados pelos professores, facilitando a formação de hábitos de estudo. 

Pode-se considerar, também, que haverá elevação da autoestima e autoconfiança, pois o indivíduo reconhecerá sua capacidade de realização. 

Assim sendo, as metas são excelentes aliadas para o alcance de sucesso e prazer ao aprender." 

Claudia Cordeiro M Taveira   
Pedagoga, psicopedagoga e mediadora do Programa de Enriquecimento Instrumental nível 1

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC


14. Ana Paula Aureliano

"A aula que vale a pena é aquela em que conseguimos atingir o nosso propósito principal, uma aprendizagem significativa. Onde o aluno se sente motivado a ir além, a chegar em casa e pesquisar mais sobre o assunto e a buscar em nós professores uma palavra de apoio e incentivo.
Onde todos se igualam pelas diferenças e não conseguimos perceber as dificuldades e deficiências de aprendizagem, não por que não somos capazes, mas porque o nosso trabalho foi tão bem desenvolvido pelos alunos que todos conseguiram progredir e mostrar as suas potencialidades.
Incluir não é fazer diferente e sim fazer a diferença na vida acadêmica de cada um."

Ana Paula Aureliano   


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

 15 - Selma Cunha
 
"Quem trabalha com educação enfrenta o novo a cada dia. Primeiro porque trabalha com o ser humano, aluno, cabeças diferentes realidades opostas, compreensões distintas. Segundo porque a sociedade evolui, todo dia há um fato novo acontecendo, por isso a aula que vale a pena é aquela que ao final o aluno consegue tirar suas próprias conclusões, de acordo com a ministração da aula, o aluno consegue criar o seu próprio conceito a respeito do assunto, sendo assim a participação do professor como facilitador, usando estratégias e meios que levem o aluno a construir o conhecimento!"

Selma Cunha  

Pedagoga, 5 ano, SEMED São José de Ribamar


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

16 - Rubens Alves 


" O novo tipo de professor deve ser: o Professor de espantos"


Rubens Alves 

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

17. Erika Ponzeto
"
"A aula que vale a pena é aquela aula que flui de forma natural, com a participaçao voluntária e/ou mediada pelo professor dos alunos e quando vc se da conta que esta acabando, nao quer que acabe. Professor e aluno devem se doar mutuamente para  valer a pena e por fim sair com uma sensaçao de dever cumprido."

Erika Ponzeto  

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

18 - Eliana Rezende
 Chegamos ao fim da Educação


Ouça eu ler para você
(escolha a opção abrir com: 
Music Player for Google Drive)
“A escola acabou. É preciso encontrar outro lugar.”
(Michel Maffesoli)


"Aqui uma interessante perspectiva é que a que defendo. O modelo de escola que temos está falido!
E não creio que tenha que ver com dinheiro e subsídios em primeiro lugar, antes sim tem que ver com motivação, objetos e objetivos. Neste modelo que conhecemos a educação não serve nem como elemento formador, inovador, nem criador. Há tempos este modelo deixou de tomar o individuo como um todo holístico inserido e integrado ao seu mundo e a seus tempo. Isto é, inserido em um contexto social, cultural, politico, econômico, produtivo.

Desde que a escola e seus sistemas supostamente inciaram a compartimentação, e pretensa especialização, os indivíduos começaram a atrofiar-se enquanto pessoas capazes de entender e propor alternativas ao seu tempo. E aí que todos os problemas surgiram.

A escola começou a ser vista, e funcionar, como um local onde conteúdos são dispostos e perfilados...apresentados um a um sem relação ou conexões. Tudo parece nada e nada precisa ser pensado, interpelado, questionado. O espirito crítico, criativo e elucubrador não é mais incentivado e cada vez mais, programas e conteúdos, são apenas dispostos como uma amassa amorfa a ser decorada. E aí que entram os elementos de desencanto, desinteresse e desmotivação não apenas de alunos, mas também de professores. Ninguém sabe ao certo porquê mesmo é que está ali, nem para quê.

A escola transformou-se em um local de metas e obrigações a cumprir e não um espaço criativo de vivências e oportunidades de convívio com o que é novo, diferente, instigante... infelizmente.

Daí que para este modelo, não há recursos que possam dar conta do esgotamento,desencanto e desmotivação.

O professor teria que ser apenas e tão somente um mentor a instigar e não um conteudista regurgitando conteúdos, números, dados, gráficos, tabelas, textos, poemas....precisaria ser capaz de transformar isso tudo em algo que estivesse conectado com o mundo em que estamos com a vida que tais discentes têm, rodeados de estímulos visuais, sonoros e, de que forma levá-los ao mesmo tempo a ver-se inseridos em uma sociedade que age e se reproduz desta ou daquela forma. Enquanto isso não ocorrer, não há reformas de currículos e verbas que darão conta de todo o sistema falido em que se pensa a Educação.



Vejo como única possibilidade de salvar a Educação o professor voltar a ser um iniciador!
Aquele que mostrará as ferramentas para que o discente descubra o mundo à sua volta. Só que mentores não são formados em escolas! Ser um mentor exige Sabedoria interior, visão holística aguçada, sensibilidade, perspicácia, generosidade intelectual. Todas características e qualidades que exigem cultivo, dedicação, disciplina. E aquí a minha pergunta: "quantos docentes tem estas qualidades?"

De novo insisto: estas qualidades não estão nos currículos de formação e não se adquirem por incentivos financeiros governamentais. Aí as "desculpas" cessam, já que precisam ser de inciativa individual daquele que chama para si a responsabilidade de ser um mentor intelectual.
Quantos agentes teríamos?
Boa pergunta!

A Educação precisa, e deve, ser pensada holisticamente. Sem este olhar terá chegado ao seu fim!"

Posts relacionados:
Criatividade e escola: caminhos incompatíveis?!
Chegamos ao fim da leitura?
Geração Touchscreen
Letra cursiva: a caminho da extinção?
Facebook: robotização e sedentarismo em rede


Eliana Rezende       



1.ER Consultoria | Gestão de Informação e Memória Institucional 2.Curadora e Produtora de Conteúdos 3.Docente EaD


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

19 - Claudia Rosengarten Maurício

 "Diante dos vários depoimentos de professores sobre a aula que vale a pena decidi mudar o foco dos protagonistas do fazer pedagógico e escolhi uma turma de 9º ano, entreguei a pergunta escrita aos alunos e pedi que respondessem da forma mais sincera possível.

A pergunta na folha foi a seguinte: A AULA QUE VALE A PENA É AQUELA QUE:

• Pode contribuir pra mudar meu futuro;

• Os alunos não ficam só escrevendo mas tem interação dos professores com os alunos e compartilhamento de conhecimento; 

• Tem atividades interessantes, que o professor explique, que tem atividades em duplas;

• Tem interação de várias maneiras;

• Aprendemos coisas que vamos usar na nossa vida;

• Ensina de forma descontraída;

• Há respeito entre professor e aluno;

• O professor faz com que o aluno se interesse pela matéria;

• Que usamos pro dia-a-dia e que saímos da rotina da sala de aula

• Aprendemos coisas para o dia-a-dia;

• Quando a aula acaba você sabe que vai ser alguém um dia;

• Você se diverte, ri e o professor não é chato;

• A gente entenda e o professor saiba ensinar bem;

• O professor ensina bem, explica bem, sabe como dar uma aula e que vc entende o conteúdo;

• O professor explica bem e interage com os alunos de forma descontraída;

• Tem assuntos interessantes e de fácil aprendizado;

• O pessoal se enturma, tem brincadeiras, que eu aprendo coisas novas e novos conhecimentos.

*Alunos do 9º ano B Escola Municipal Vereador Curt Alvino Monich Joinville SC.  
Espero termos contribuído com sua pesquisa.
Sucesso! "

Claudia Rosengarten Mauricio   
Supervisora de ensino

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC
20 - Tânia Amaral
"Sou um caso a estudar. Desisti, apesar de ter muita vontade de retornar, ainda não o fiz.

A docência fez parte de minha vida desde que me conheço por gente.

Minha mãe fez carreira no ensino público do Estado de SP, e a maior parte do tempo alfabetizou crianças de 6 a 8 anos. Poucas vezes assumiu classes maiores, 3ª,4ºs anos nunca foram seu interesse. Meu pai, economista, também foi professor universitário por um tempo.

Rodeada de educadores, na hora de escolher o que queria seguir como formação e profissão, acabei por fazer magistério e depois a Pedagogia na PUC de SP. E me afastei da área há 16 anos para me dedicar aos filhos, mas também por desilusão da profissão. 

Gosto da sala de aula. A troca de vivências é intensa e rica. Sempre temos a aprender, muito além de ensinar. E tive experiências em diversos graus e setores de ensino: na educação infantil-creche além das crianças, também tive o trabalho com funcionários (treinamento) e com orientação aos pais. No ensino fundamental, com crianças maiores, na universidade, com adultos de todas as idades. E, também com adultos, alfabetizando trabalhadores.

Públicos bem distintos. Cada um com sua riqueza.

Mudar a educação no Brasil é possível. Mas temos que trabalhar em todos os níveis e setores de ensino ao mesmo tempo ou a mudança ficará prejudicada e lenta.

Cada professor em sua sala de aula é agente dessa mudança, mas não pode agir só. A mudança deve ser política. Política pública, que considera fatores externos à sala de aula e conteúdo. Deve se pensar em carreira e salário de professores, deve se pensar em equipar e estruturar escolas, no transporte de alunos, no apoio ao estudo em casa, bibliotecas, centros de cultura, esporte, música e tudo o que rodeia a comunidade onde a escola está.

Se tudo isso em torno for acertado, a aula transborda os muros da escola, avança para as famílias e para a vida do aluno.

Uma boa aula é aquela que considera tudo o que foi feito antes e o que será feito depois dela acontecer. Que considera todos os fatores que mencionei acima (família, comunidade, cidade) bem além do conteúdo e do aluno. E então, não precisaremos de um ideal, mas sim de um fiel retrato real. Aluno real para um mundo real.

Uma boa aula, em minha opinião é aquela que é preparada com objetivos claros, com propósitos executáveis, pé no chão, passo a passo. Ao professor cabe dar o recorte exato do degrau a escalar, com a consciência de que dependendo do aluno, dependendo do dia, a aula irá modificar seu rumo. Deve ser flexível, interativa, dinâmica, instigante.

Tive um professor que dizia que você deve deixar no aluno a sensação de que ele ainda tem muito a descobrir, deve ficar aquele gosto de insatisfação, ou até de indignação que nos move a ir além, querer mais, não estacionar.

A escola básica precisa com urgência rever a interação com as famílias, trazê-las para a prática diária, trocar experiências, dialogar, integrar.

Aprender é ato de prazer, de troca, de prática e de convivência, como quando sentamos ao lado dos avós para escutar histórias, ou bater um bolo.

E a universidade, em minha opinião, deve prezar mais o fazer pedagógico, preparando melhor o professor que irá atuar nos graus básicos de ensino. Buscar a práxis e a inovação tecnológica. 

Em minha opinião, o Brasil necessita rever o que espera do futuro com urgência. Precisamos de mais estímulo à formação de cientistas, que pensem a tecnologia para que não fiquemos tão dependentes de usar aquelas desenvolvidas fora daqui, por exemplo. A técnica e a ciência devem andar de mãos dadas, buscando a práxis tão sonhada. 

Tânia Maria Rodrigues Álvares de A. Amaral   

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

21 - Fernando Roberto Santini



"A aula que vale a pena sempre será a próxima!!!"


Fernando Roberto Santini     

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC


22 -Tião Rocha


"PEQUENAS PÍLULAS PARA REFLEXÕES MAIORES SOBRE O ATO DE EDUCAR E SER EDUCADOR:

- Professor é aquele que ensina. Seu ofício é a ensinagem.

- Educador é aquele que aprende. Seu ofício é a aprendizagem.

- Educação é um fim, Escola é um meio. (Os meios devem estar sempre a serviço dos fins a que se destinam).

- Educação é algo que acontece somente no plural.

- Não existe Educação no singular. O “eu” sozinho não educa.

- Para que haja Educação são necessários, no mínimo, duas pessoas - o eu e o outro - (ou o professor e o aluno).

- E Educação não é o que eles, individualmente, trazem, mas o que eles trocam.

- E a gente só troca o que tem pelo que não se tem ainda. Isto chama-se aprendizagem. (quem troca 6 por meia dúzia, está é perdendo tempo).

- Educação, portanto, pressupõe aprendizagem. E a aprendizagem só se houver troca (do tipo ganha-ganha).

- É possível fazer Educação sem Escola? Sim!

- É possível fazer boa Educação debaixo do pé-de-manga? Com certeza!.

- Mas é im-pos-sí-vel fazer boa Educação se não tivermos bons educadores.

- Só os bons educadores produzem a boa Educação (o contrário, infelizmente, também é verdadeiro: os maus educadores produzem caca educacional).

- O bom educador é aquele que cria um pedagogia própria, autoral (e não fica apenas falando “entre aspas” e/ou citando pés de página).

- O bom educador é aquele que aprende mais do que ensina, porque aprende a ver, ler e usar “o lado luminoso” de seus alunos e olhar sua comunidade pelo “lado cheio do copo”.

- O bom educador não mede carência, mas potência. Deixa de ser um dependente do IDH e faz da sua escola a guardiã do IPDH (Índice de Potencial do Desenvolvimento Humano) dos seus alunos e sua comunidade.

- Uma Escola que se deseja excelente, é aquela que identifica, mede e avalia o IPDH de seus alunos e comunidade e o utiliza pela sua capacidade de ACAO - Acolhimento, Convivência, Aprendizagem, e Oportunidade -.

- O educador, a nível de excelência, é aquele que constrói seu Plano de Trabalho e Avaliação (PTA) a partir de MDIs : - de quantas Maneiras Diferentes e Inovadoras eu posso:…alfabetizar uma criança…não perder nenhum aluno...tirar um jovem da linha de tiro…mobilizar uma comunidade para zerar o analfabetismo…fazer da escola um centro de excelência…construir uma cidade educadora…etc

- E toda escola pode transformar estes desejos e vontades em realidade plena. Basta querer e investir suas energias e seu “lado luminoso" nestas causas, porque elas fazem parte de sua governabilidade e não necessitam ser “terceirizadas”.

- Uma escola, a nível de excelência, é aquela que “não deixa nenhum aluno para trás” ou que “não perde nenhum aluno” ou que garante a todos, sem exceção, a aprendizagem de tudo o que todas as crianças e jovens precisam e podem aprender, no seu tempo e no ritmo, para serem os melhores e mais felizes cidadãos do mundo”.

Tião Rocha  

Ago/2015


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC


23 - Celia Romano

 
"A aula que vale a pena, na minha opinião, é aquela em que o Mestre consegue despertar o interesse do aluno sobre o tema apresentado, fazendo com que ele, à partir daquele momento, se sinta motivado a pesquisar,tentando dominar mais aquele assunto. É o Despertar do Saber..."

Celia Romano  

Ago/2015


CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

A AULA QUE VALE A PENA

Idealizador:

 "Que as minhas palavras sejam justas com os justos, resistam à hipocrisia dos hipócritas, sejam divertidas e honestas para as crianças; confiáveis para os adultos e sóbrias para os sábios. 

Mas, cordiais com quem quer que seja, sobretudo."

Sou professor.

(Guto MaiaSão Paulo, 20 de julho, de 2015. 

Carta aos professores,

Estou pedindo para professores e amigos educadores um depoimento sobre “qual seria a AULA QUE VALE A PENA”.

Esse trabalho faz parte de um estudo acadêmico que venho elaborando sobre inovação em educação, com novas teorias experimentadas no IBFC,  com resultados positivos com os alunos.

Faço relatórios diários, mensais e de conclusão de cursos com boa aceitação da Direção pelas novas possibilidades aplicadas com sucesso com os alunos, resultando melhor absorção do conteúdo. Esses relatórios serão organizados por temas e tópicos e se transformarão num guia para professores.

O ensaio passará pelas possibilidades de avanço em aprendizado nos vários níveis sociais, faixas etárias e expectativas profissionais.

A meta é refletir sobre o aprendizado qualificado que privilegia a diversidade cultural e intelectual de cada individuo, gerando um manual de ferramentas para educadores.

Se você puder participar, me ajudará sobremaneira e fico muito grato.

Pretendo construir um painel desses depoimentos num link online, com os devidos créditos.

O nome provisório do projeto é:

“A AULA QUE VALE A PENA – Técnicas e Práticas do professor resiliente”

No topo, os tópicos que venho desenvolvendo em capítulos.

O seu depoimento pode ter o formato que preferir, com liberdade total de enfoque.

A criatividade é toda sua.

Grande abraço.

Guto Maia 

 
José Augusto Maia Baptista
Universidade Paulista - UNIP
Extensão Comunitária
IBFC - Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação
Formação para o Mundo do Trabalho e Projeto Jovem Aprendiz
 
55(11)33134337 - res.
55 (11) 993784603 - cel.
 
       
 
 
Site A aula que vale a pena: 
Face A aula que vale a pena: https://www.facebook.com/aulaquevaleapena


Serviço público:
Para quem se sentir lesado por crimes virtuais: 
http://www.crimespelainternet.com.br/delegacia-para-denuncia-de-crime-eletronico-sao-paulo/

 A AULA QUE VALE A PENA
Copyright Espaço Dois do Brasil | Todos os direitos reservados
Criado em 20 de julho de 2015


 


Pesquisa/Supervisão/Consultoria:

Guto Maia é diretor/autor teatral (“O Dodói da Gigi” e “Nunca Me Vi, Sempre Me amei”); músico/vocalista (“Dois do Brasil, Cultura Musical”); professor do Instituto Yara Angelini (NEED), especialista em Educação Inclusiva. Eleito Conselheiro de Saúde do CER (Centro de Especializado em Reabilitação), UBS (Unidade Básica de Saúde) Sé/Santa Cecília - 2017/18. Foi professor multidisciplinar na Extensão Comunitária da UNIP (Universidade Paulista), no IBFC (Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação); e professor no Teatro Escola Macunaíma. Estudou Música Popular Brasileira e Ética na ECA/USP, violão, no CLAM (Dentro Livre de Aprendizado Musical, guitarra, no IG&T (Instituto de Guitarra e Tecnologia), canto no CORALUSP, Coral do CCSP (Centro Cultural São Paulo) e Madrigal Canto Vivo; Ficção, Poesia, Crônica, Dramaturgia e Conteúdo Digital, na Oficina da Palavra; Pedagogia, na Faculdade Messiânica; Adm. Empresas, na Uni Braz Cubas e Uni Santana; Extensão em Artes Plásticas, UFMG; e Arquitetura, na Faculdade de Belas Artes/SP. Cursou Comunicação Verbal, no Instituto Passadori, em 2016, e prepara o CURSO TEATRO PARA COMUNICADORES.
Foi um dos organizadores do Natal Iluminado 2016, com eventos corais, música, teatro, dança e intervenções artísticas pela cidade, realizado pela Associação Comercial de São Paulo.

Prof. Guto Maia
BAPTISTA, José Augusto Maia, 2015
       ATIVIDADES REDATOR EVENTOS PREMIAÇÕES FORMAÇÃO WEB

 

 

(Última atualização 21/nov/2015)  

 

GUTO MAIA - GESTOR CULTURAL
Pesquisador e Eterno Aprendiz


Guto Maia é diretor/autor teatral (“O Dodói da Gigi” e “Nunca Me Vi, Sempre Me amei”); músico/vocalista (“Dois do Brasil, Cultura Musical”); professor do Instituto Yara Angelini (NEED - Núcleo de Especialização em Deficiência Física e Mental), especialista em Educação Inclusiva. Eleito Conselheiro de Saúde do CER (Centro Especializado em Reabilitação), UBS (Unidade Básica de Saúde) Sé/Santa Cecília - 2017/18. Foi professor multidisciplinar na Extensão Comunitária da UNIP (Universidade Paulista), no IBFC (Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação); e professor no Teatro Escola Macunaíma. Estudou Música Popular Brasileira e Ética na ECA/USP, violão, no CLAM (Centro Livre de Aprendizado Musical, guitarra, no IG&T (Instituto de Guitarra e Tecnologia), canto no CORALUSP, Coral do CCSP (Centro Cultural São Paulo) e Madrigal Canto Vivo; Ficção, Poesia, Crônica, Dramaturgia e Conteúdo Digital, na Oficina da Palavra; Pedagogia, na Faculdade Messiânica; Adm. Empresas, na Uni Braz Cubas e Uni Santana; Extensão em Artes Plásticas, UFMG; e Arquitetura, na Faculdade de Belas Artes/SP. Criou as Oficinas Culturais do Clube de Regatas Tietê, em 1996, que chegou a ter mais de 1000 alunos, entre sócios e convidados..
Palestrante com foco em PCD (Pessoas com Deficiência). Formado em Comunicação Verbal, no Instituto Passadori, em 2016, 
Foi um dos organizadores do Natal Iluminado 2016, com eventos corais, música, teatro, dança e intervenções artísticas pela cidade, realizado pela ACSP - Associação Comercial de São Paulo. Referência: Revista D+: http://revistadmais.com.br/arte-musica-e-acao/
Depoimentos sobre o professor Guto Maia: https://goo.gl/HE9WTs

 


NOTAGuto Maia é membro eleito do Conselho-Gestor do CER III - Sé (Centro Especializado em Reabilitação), empossado em 19/12/2016, para o biênio 2017/18.

O que é o CER:
Centro Especializado em Reabilitação (CER III) – Santa Cecília / São Paulo
   

Os CERs são unidades voltadas para o atendimento especializado de pessoas com deficiência que necessitam de reabilitação, com o objetivo de
desenvolve.r seu potencial físico e psicossocial.   
   
O diagnóstico, a avaliação, a orientação e a estimulação precoce dos usuários são responsabilidade da equipe multiprofissional, composta de Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Fonoaudiólogos, Médicos, Psicólogos, Assistentes Sociais e Enfermeiros. 
   
Para proporcionar o acesso de pessoas cuja deficiência interfira em sua mobilidade e em sua acessibilidade aos meios de transporte convencionais, o serviço conta com veículos adaptados para o transporte dos usuários.   
   
Existem três categorias de CER – a II, a III e a IV, números que correspondem à quantidade de modalidades de reabilitação oferecidas (física, intelectual e autismo, visual, auditiva).   
   
CONSIDERAÇÕES SOBRE DEFICIÊNCIA: 
   
1° - Ajudar;
2° - Pedir ajuda;
3° - Aceitar ajuda de bom grado;
4° - Gratidão;
5° - Não se bate em DEFICIENTE;
6° - Não se humilha um DEFICIENTE;
7° - Não se trata com truculência o DEFICIENTE;
8° - Não se perde a paciência com DEFICIENTE;
9° - NUNCA se promete nada a um DEFICIENTE, que não possa cumprir;
10° - Por “DEFICIENTE” entenda-se todo ser que respira, pois todos são imperfeitos e não existem dois iguais; 
11° - Nem toda DEFICIÊNCIA é visível;
12° - Antes de ser o primeiro a apontar o erro do outro, reflita: isso pode ser uma falha sua; 
13° - Procure entender o contexto de cada momento e ter paciência para estudar cada caso. Isso evita armadilhas:
14° - Pense a respeito, antes que seja tarde demais.

Guto Maia (José Augusto Maia Baptista)
Conselheiro Gestor de Saúde do CER - 2017/18
Centro Especializado em Reabilitação
CER III Sé / Santa Cecília/SP

O que é o NEED:
Núcleo de Especialização e Educação Para o Deficiente Físico e Mental - desde 2000 - Ipiranga / São Paulo

NEED - NÚCLEO DE ESPECIALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO PARA O DEFICIENTE FÍSICO E MENTAL

O Instituto Yara Angelini foi fundado em 2000 como Organização Não governamental. A pesquisa realizada por suas fundadoras demonstrou a carência do atendimento ao jovem e adulto deficiente mental e a necessidade concreta de prestação de assistência neste segmento, tendo em vista a abordagem do deficiente mental como um todo: ou aspectos físicos, psíquicos e anímicos.

Diferenciando-se das instituições que nascem da necessidade de mães de pessoas com deficiência, o Projeto Need foi idealizado por profissionais das áreas de psicologia, fisioterapia e pedagogia com experiência na área e abordagem diferenciada, permitindo o embasamento educacional e cultural, priorizando a superação pessoal e cultural, o bem estar, a qualidade de vida e a aceitação social.

A antroposofia, a pedagogia curativa e a terapia artística são a base do trabalho

A instituição conta com um espaço adaptado às ações que desenvolve, procurando sempre manter um ambiente controlável às necessidades dos educandos.

Os tratamentos e trabalhos desenvolvidos no Instituto Yara Angelini na área da saúde são: fisioterapia, fonoaudiologia, acupuntura e terapia ocupacional.

Na área da educação são oferecidas oficinas pedagógicas, artesanato, terapia artística, dança, teatro e música. Também são ministradas atividades esportivas mediante esporte adequado.

Os Projetos de Terapia do convívio e de residência adaptada, assim como o de Inserção no Mercado de Trabalho mediante Trabalho Assistido estão sendo aperfeiçoados.

O Instituto possui Projetos aprovados  pelo Fumcad (Fundo Municipal da Criança e Adolescente) na Prefeitura Municipal de são Paulo.

No exercício de nossas atividades cumprimos os princípios básicos de legalidade, impessoalidade e eficiência. Seguimos a legislação do CNAS (Conselho Nacional de Assistência Social).

Durante os dezesseis anos de trabalho a Equipe Need manteve a Instituição contando sempre com colaboradores da comunidade, associados que participam ativamente para que continuemos esta Ação Social.

O Departamento de Música Integrativa tem a coordenação do prof. Guto Maia e prof. Pitú Leal, arte-educadores, com supervisão pedagógica da psicóloga Avani Vanzetto

Em 2015, foi criado o Coral NEED, e para o carnaval 2017, o Bloco “Loucos pelo NEED”

Na continuidade do trabalho musical, serão criadas oficinas de construção artesanal de instrumentos e uma orquestra com os educandos e convidados.

NEED – Núcleo de Estudos Especializados para o Deficiente Físico e Mental

Para convites para apresentações e para conhecer o NEED, entre em contato. 

Endereço: Rua Costa Aguiar, 1302 - Ipiranga, São Paulo 


Telefone: (11) 2914-9854




Coral do NEED, desde 2015. Regência prof. Guto Maia




D
oisdoBrasil
  22 Anos de Música & Cultura
Música para Humanos & Simpatizantes

A Música nos torna íntimos em poucos acordes
Música & Neurociência 
Cultura & Pensamento
Inclusão & Diversidade
Musicalização Integrativa
Ensino & Método
Projetos Experimentais
Pesquisa Científica

Venha conosco!
  
 

Guto Maia e Rossana Rosengarten
Tel: 55 11 3313.4337 / 99378.4603 / 97644.5061 - São Paulo/BRA 

doisdobrasil@gmail.com
maiagutomaia@gmail.com
rossana.rosengarten@gmail.com