PALESTRA: Dia 26 de outubro de 2017, 19 hs, no Instituto Passadori, Av. Paulista, 726 - Bela Vista, SP Tel: (11) 3488-1200



Apresentação do projeto: “Cidades que me dizem respeito”

Circuito de Conversas sobre o Universo PCD (Pessoas com Deficiência) e PAH (Pessoas com Altas Habilidades), e seus dilemas sociais.

O Universo da Inclusão, Educação & Mercado de Trabalho

O projeto foi idealizado a partir do Seminário de Credenciamento e Orientação de Formadores no Memorial da Inclusão, da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, do Governo do Estado de São Paulo, em agosto de 2017.  

Pedro Rosengarten, autista, e Guto Maia, seu pai e professor de alunos PCD’s e PAH's, participaram do seminário que abordou a capacitação de deficientes na perspectiva da disseminação do conceito social da deficiência e seus desdobramentos.

Em seguida, veio o convite para estarem entre os signatários do primeiro documento alinhado aos princípios da 
Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas, elaborado coletivamente por grandes lideranças nacionais do universo das pessoas com deficiência, promovido pela Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, essa última representada pelo Memorial da Inclusão, em parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, além de empresas e instituições e que trabalham na afirmação dos direitos das pessoas com deficiência.

O documento será elaborado em quatro dias de palestras e debates, entre 15 e 18/10, no “Encontro de Gerações”, no hotel Parque dos Sonhos (https://goo.gl/G6mgXi), com coordenação geral da jornalista Flávia Cintra.

O objetivo do "Encontro de Gerações" é compartilhar conhecimento e fortalecer vínculos, de modo a propiciar transferência de poder entre líderes legítimos e iminentes do segmento. O debate será pautado na defesa de direitos das pessoas com deficiência e alinhado aos princípios da Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas. Como resultado, esperamos também a produção coletiva de um documento com encaminhamentos que contribuam com a pauta do movimento ativista pelos direitos da pessoa com deficiência no Brasil.


Encontro de Gerações' será um catalizador do processo de defesa de direitos e conquista de uma sociedade inclusiva e melhor para todos", segundoa a c
oordenadora geral, jornalista Flávia Cintra.

Esse convite é muito honroso reafirmando a convicção da responsabilidade de estar no caminho certo, ao merecer o olhar de relevantes entidades nacionais e internacionais que nos oferecem a oportunidade de contribuir cada vez mais ativimente com a causa PCD e PAH, junto a órgãos ligados às Nações Unidas.

O projeto terá início no próximo mês de novembro, período de férias do Pedro que completa um ano de trabalho na Rede Drogasil, num programa de emprego apoiado que coloca em cada loja um jovem com deficiência como assistente operacional.  O significado transformador dessa experiência será um dos temas abordados.

As palestras-debates terão sempre a presença de especialistas convidados, visando aperfeiçoar o projeto “Cidades que me dizem respeito”, uma proposta colaborativa sócio-cultural-artística sobre o Universo Inclusivo, que pretende envolver educadores, pesquisadores, artistas, familiares e todos que têm interesse na Educação Inclusiva para troca de experiências e capacitação de multiplicadores.

O Universo da Inclusão, a Educação e o Mercado de Trabalho serão os temas recorrentes das conversas sobre os principais dilemas das famílias de PCD’e PAH's e os desafios das políticas públicas.  

As palestras de apresentação visam aperfeiçoar o discurso, construir uma equipe de consultores e identificar apoiadores alinhados à causa da inclusão.

O projeto colaborativo “Cidades que me dizem respeito”, estará em permanente processo de aperfeiçoamento nesse lin
k: www.doisdobrasil.com
O seu lançamento público acontecerá no próximo dia 26 de outubro, no Instituto Passadori (Av. Paulista, 726) com palestra dos autores.
O convite é extensivo a todos que se interessam em saber mais sobre PCD e PAH.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A CONVIVÊNCIA COM A DEFICIÊNCIA

Protocolos de Conscientização
1° - Aceitar a realidade;
2° - Ajudar;
3° - Pedir ajuda;
4° - Aceitar a ajuda com boa vontade;
5° - Gratidão;

Protocolos Éticos
1° - Não se bate em DEFICIENTE;
2° - Não se humilha um DEFICIENTE;
3° - Não se trata com truculência o DEFICIENTE;
4° - Não se perde a paciência com DEFICIENTE;
5° - NUNCA se promete nada a um DEFICIENTE, que não possa cumprir;
6° - E, o mais importante: NÃO SE CHAMA PESSOAS COMO EU DE "DEFICIENTE";
O termo correto OFICIALMENTE é:  PESSOA COM DEFICIÊNCIA (PCD).

Protocolos Subjetivos
1° - Por “DEFICIÊNCIA” temos um campo muito amplo de possibilidades e níveis;
2° - Nem toda DEFICIÊNCIA é visível;
3° - Antes de ser o primeiro a apontar o erro do outro, reflita: isso pode ser uma falha sua;
4° - Procure entender o contexto de cada momento e ter paciência para estudar cada caso. Isso evita armadilhas.

Protocolos Objetivos
1° - Viver um dia por vez, com otimismo e energia, fazendo só o que tem que ser feito hoje.
2° - Procrastinação inteligente: transferir para amanhã o sofrimento que não precisa ser vivido hoje (priorizar só a dor e, principalmente, a alegria de hoje).
3° - Construir/aperfeiçoar regras próprias de conduta e criar receitas personalizadas de eficiências.
4° - Ter uma agenda clara de tarefas diárias.
5° - Rotina é um quesito essencial para dar/ter segurança.
6° - Ter uma agenda dinâmica de realizações a curto, médio e longo prazo.
7° - Simplificar conceitos, teses, ações para localizar uma única habilidade que seja para trabalhá-la renitentemente.
8° - Alegria, bom humor, afeto e generosidade são remédios que precisam sempre estar à mão.
9° - Lamúrias, vitimização, coitadismo têm efeitos colaterais devastadores.
10° - A busca permanerte da verdade é um direito e a melhor auxiliar em todo e qualquer tratamento.

Protocolos de Direitos Legais
1° - Fundamental estudar bem as Leis da Inclusão, conhecer instituições oficiais e não governamentais de suporte e compartilhar informações relevantes de fontes confiáveis. 
2° A educação de um PCD/PAH - como a de todos -, é literalmente construção coletiva de um ser-humano, portanto, todos devem cuidar de todos.

Abaixo, a primeira entrevista de Guto Maia para a jornalista Gabrielle Tricanico, da Rede EcoTV, de Santo André falando das suas pesquisas. Gratidão pelo convite para falar de Inclusão, políticas públicas, mostrar um pouco do trabalho de musicalização com Pitu Leal, no NEED, e apresentar em primeira mão o projeto "Cidades Que Me Dizem Respeito" que começa a sair do papel para ampliar a conversa.

Abraços, Gabrielle e Equipe Rede EcoTV. Grato, Alisson Daniel, pela confiança!

 

VÍDEO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO

Entrevista na íntegra de Guto Maia para Gabrielle Tricanico, da Rede EcoTV

VÍDEO DEPOIMENTO LUZIA PALADINO, mãe de aluno do NEED

Musicalização no NEED - profs. Guto Maia e Pitu Leal

 

Pedro Rosengarten Baptista discursa no dia Mundial das Boas Ações 2017 - Parque do Ibirapuera



Aline Fávaro é um exemplo de PDC com eficiência de PAH, graças à dedicação da família



 CONCLUSÃO
 “Cidades que me dizem respeito” é uma iniciativa colaborativa, didática, informativa e participativa, a partir da convivência com alunos PCD e PAH, consultas com profissionais e experiências pessoais dos idealizadores. Um estudo em processo permanente de aperfeiçoamento e pesquisa.

Por definição, é um projeto educacional que visa aprimorar o conhecimento compartilhado sobre Inclusão sociocultural, digital, sensorial, intelectual e física, através do exercício do aprendizado colaborativo extraído da cultura e dos valores inerentes a cada núcleo social onde o projeto atuar..

MODELO DE RELEASE DAS PALESTRAS DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO: A palestra pretende analisar e problematizar a relação entre o universo corporativo e o universo inclusivo. Considerando a acessibilidade às políticas públicas e legislação a respeito, buscando evidenciar e discutir os principais desafios envolvidos nas ações de capacitação à empregabilidade, discutindo formação e direitos dos indivíduos PCD/PAH, com depoimentos de convidados especialistas, e de Pedro Rosengarten sobre sua experiência que está completando um ano em projeto de emprego apoiado.

TítuloCidades Que Me Dizem Respeito
Oficineiros: Pedro Rosengarten e Guto Maia

Data: 
Horário: 

Duração Total: 2 horas

Público: Pesquisadores, Professores, Educadores, Acompanhantes e indivíduos PCD.

Inscrições:  por telefone e email.

Capacidade: 30 pessoas

Local: 

Informações: 

E-mail: 

Site:

Entrada: franca


O Universo da Inclusão & o Mercado de Trabalho

PALESTRANTES: Pedro Rosengarten, Guto Maia & Convidados. 

Filosofia e Missão do Projeto

Uma abordagem sócio-cultural-artística do Universo Inclusivo, repercutindo iniciativas institucionais relevantes que promovam qualidade de vida, dignidade humana, social e, sobretudo, acessibilidade ao mercado de trabalho, analisando ética na inclusão, conceitos e preconceitos que acompanham a pessoa com deficiência física, sensorial e intelectual.

Depoimentos de PCD’s e PAH's contando suas experiências, expectativas e especialistas apresentando dados e últimas pesquisas na área. Traçar um paralelo entre os extremos PCD (Pessoas com Deficiência) e PAH (Pessoas com Altas Habilidades), buscando  onde esses extremos se identificam ao enfrentarem a discriminação e incompreensão social. E, como existem muitos indivíduos com os dois extremos simultaneamente, até porque a deficiência física e mental por vezes obriga e promove compensações ao desenvolver outras habilidades.

Tópicos do Ciclo virtuoso:
1. Alegria de Viver  2. 
Enfrentando o Medo  3Mercado de Trabalho 4. Futuro Seguro
Foco: Infância, diagnóstico, adolescência, vida adulta, acidentes e velhice PCD.

 Conteúdo: No desenvolvimento desses quatro tópicos buscaremos estimular o diálogo sobre os dilemas e questões prioritárias dos deficientes, cuidadores, professores e pessoas desestabilizadas (em recuperação física, sensorial e intelectual), que necessitam de apoio cotidiano e capacitação, especialmente para entrar, voltar ou manter-se no mercado de trabalho. Esperamos com esse projeto contribuir para o aperfeiçoamento dos protocolos da Educação Inclusiva e ajudar na melhor compreensão do Universo da Inclusão, propondo mais discussões sobre um tema que diz respeito a toda Humanidade.

PRODUTOS: Palestras, workshops, cursos de formação de palestrantes para viagens, seminários, conferências, congressos, simpósios, aulas regulares foco PCDs, PAHs, mostras, exposições, shows e eventos sócio-artistico-culturais.

Os inclusivos e o mercado de trabalho

MODELO DE EVENTO EM APAEs UBATUBA E CARAGUA (7 a 9 de novembro/2017)
PÚBLICO-ALVO
: Líderes institucionais e corporativos, professores, monitores, cuidadores, pesquisadores, profissionais em geral, alunos, familiares, indivíduos PCD’s, e pessoas interessadas em aperfeiçoar os seus conhecimentos na área;

FORMATO: Três dias de Ação sócio-cultural-artística, 4 horas cada: 
1° DIA: Workshop para professores e profissionais interessados no Universo Inclusivo;

2° DIA: Palestra e Formação da Equipe de Coordenadores para ensaios com os alunos para apresentação de um show no encerramento do 3° dia;

3° DIA: Conversa e apresentação de um SHOW DE TALENTOS de música, canto, dança, teatro contação de histórias, etc. Encerramento com uma grande cantoria e dança coletivos.

Os principais dilemas que o projeto buscará abordar com respostas compartilhadas:

  1. Você se considera um indivíduo PCD ou PAH?
  2. Por que viver um dia por vez? 
  3. Onde buscar perseverança e esperança?
  4. Estou estabilizado (a) hoje?  - “saudável”?
  5. Estou alegre e feliz emocionalmente hoje?
  6. Qual a meta para hoje? (continuando o que foi feito ontem e preparando atividades para amanhã)?
  7. Qual a meta para amanhã? (Se for feito o que tiver que ser feito hoje / e caso não possa ser feito)?
  8. Tenho ao menos uma meta (data de compromisso relevante) a curto, médio e longo prazo?
  9. Quais as minhas eficiências, habilidades e potencialidades?
  10. Como melhorar as minhas eficiências?
  11. Como aplicá-las para ganhar dinheiro? (sobrevivência/realização)?
  12. Quais as maiores dificuldades e limitações da minha deficiência?
  13. Como posso mudar o meu comportamento / atitude / postura  para minimizar as minhas incapacidades?
  14. Como devo buscar motivação para não me acomodar?
  15. O que estou lendo, escrevendo, estudando, treinando, ensaiando, praticando, reciclando, aperfeiçoando para benefício da minha saúde física, sensorial e mental?
  16. O que estou investindo para ter, manter e alimentar a minha ALEGRIA DE VIVER?
  17. Eu sou dependente do quê? De quem sou dependente, nesse momento?
  18. O que depende de mim? Quem depende de mim nesse momento?
  19. Qual seria a vida ideal para mim? O que estou fazendo para consegui-la?
  20. Por que devo AJUDAR, PEDIR AJUDA, ACEITAR A AJUDA E TER GRATIDÃO?
  21. O que será de mim no futuro?
  22. Quantas entidades, corporações, instituições, projetos, programas idôneos eu conheço na minha cidade com foco PCD que podem me ajudar a ter mais qualidade de vida, direitos assegurados e ampliados?
  23. Como ajustar o foco na Educação, enfrentando a natural hipocrisia e demagogia humana que tende a distorcer valores em nome de interesses nem sempre nobres?
  24. Como engajar-me, envolver-me, comprometer-me, participar e assumir mais responsabilidades com a minha família, meu bairro, minha cidade e com a coletividade humana que integramos?
  25. Como é a minha relação com as mulheres, com as minorias étnicas, raciais, religiosas, políticas e coletivos em geral, etc?
  26. Como promover EDUCAÇÃO ÉTICA e PREVENTIVA com respeito sincero às diferenças, à diversidade, desigualdades, produzindo antídotos eficazes contra as incompetências, incapacidades, injustiças, abusos e agressões em todos os níveis que sofremos diariamente, desde a primeira infância? 
  27. Como conviver com as três principais agressões cotidianas que sofremos: DESPREZO, REJEIÇÃO E HUMILHAÇÃO?
  28. Como não perder o foco no que quero, sabendo como tudo começou?
  29. Como revitalizar cada palavra, cada termo, cada conceito para ressignificá-los sinceramente semântica e simbolicamente dando-lhes mais verdade? 
  30. Como sensibilizar mais empresas na contratação de PCD’s, demonstrando a relação custo-benefício entre o marketing institucional e comprometimento social. Demonstrar o benefício financeiro que a própria Economia terá com mais educação preventiva e menos custos com reabilitação?

A palestra em si terá quatro momentos:

1. Introdução. Apresentação dos palestrantes e especialistas convidados.

2. A Memória da Inclusão. Os avanços históricos no Brasil e no mundo graças ao trabalho de ativistas reivindicando o aprimoramento de leis, renomeando termos e conceitos como "aleijado", "mongoloide", "retardado", etc, até o acesso a tecnologia de ponta para cegos, surdos, cadeirantes e deficientes em geral.

3. O Mercado de Trabalho. Pedro Rosengarten dará o seu depoimento pessoal sobre o que significa o primeiro emprego para os jovens com deficiências, o que significa o teatro, a música, estar cursando o segundo grau com perspectivas próxima de cursar uma faculdade, quais os avanços conseguidos através de leis e conscientização das instituições, empresas, escolas, etc, que pensam acessibilidade plena que integre a família ao trabalho e capacite a colocação profissional de jovens e adultos com deficiências.

4. Apresentação dos Programas Inclusivos da Cidade, do mundo, e seus projetos relevantes, com convidados especializados e técnicos trazendo dados estatísticos, informações de acesso a órgãos e setores de apoio, sobretudo oferecendo sugestões de ações imediatas de políticas públicas. Todas as partes da palestra serão abertas ao debate, com apresentação pessoal de todos os presentes, ficando sempre a dinâmica e o foco do discurso encabeçado pelos palestrantes como harmonizadores das conversas.

      

SOBRE OS IDEALIZADORES
Pedro Rosengarten, 18 anos, autista, cursando o Ensino Médio no CEEJA Dona Clara Mantelli.  É formado no Ensino Fundamental pela Escola Projeto Vida, e sonha cursar a Faculdade de Antropologia, com especialização em Estudos Africanos. Trabalha na Rede Drogasil, como Assistente Operacional, desde 2016, com suporte do Projeto “Emprego Apoiado”, realizado pela Its Brasil, em acordo celebrado com o PRONAS, SUS, PMSP e Ministério da Saúde. Desde 2015, integra o grupo UP de teatro da Oficina dos Menestréis, direção de Deto Montenegro. Participou de quatro peças como ator. Foi orador convidado para abertura dos eventos: Friendship Circle São Paulo (2015); 4° Mostra de Teatro dos Projetos Sociais da Oficina dos Menestréis (2016);  III CaminhaDown – Parque Villa-Lobos (2017); Dia Mundial das Boas Ações (2017)– Parque do Ibirapuera. Em agosto, participou do Seminário de Formadores de Palestrantes Credenciados do Museu da Inclusão, da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, do Governo do Estado de São Paulo. Participará,  a convite da Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, essa última representada pelo Memorial da Inclusão, em parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, entre 15 e 18 de outubro do “Encontro de Gerações”,  no Hotel Parque dos Sonhos, na cidade de Socorro/SP. O projeto promove a interlocução de diferentes gerações das lideranças do movimento social das pessoas com deficiência -  os ativistas veteranos atuantes desde a década de 1980 e jovens lideranças que vêm se destacando nos últimos anos na defesa de direitos. O evento preparará o primeiro documento da Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas. Como resultado, haverá também a produção coletiva de um documento com encaminhamentos que contribuam com a pauta do movimento ativista pelos direitos da pessoa com deficiência no Brasil. “Encontro de Gerações” será um catalizador do processo de defesa de direitos e conquista de uma sociedade inclusiva e melhor para todos, segundo Flávia Cintra, Coordenadora Geral do Encontro de Gerações.

Guto Maia é professor multidisciplinar de alunos PCD’s, pesquisador de educação inclusiva há cerca de 20 anos, ativista do aperfeiçoamento dos protocolos da Inserção de inclusivos no Mercado de Trabalho; pai de quatro filhos, sendo o mais jovem autista;  filho de mãe que esteve cadeirante por 13 anos; conselheiro eleito 17/18 do CER-Sé SP, ligado ao SUS, da PMSP; coordenador do Depto. de Música do NEED (Núcleo de Especialização e Estudo para o Deficiente Físico e Mental); foi professor de adultos PCD’s, na Extensão Comunitária da UNIP Vergueiro; professor de Jovens Aprendizes do IBFC (Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação); diretor teatral, músico, compositor, autor, ator de teatro e cinema. Cursou Pedagogia, Música, Ética, Teatro, Artes, Literatura, Adm. Empresas e Educação Inclusiva.  É certificado em Comunicação Verbal pelo Instituto Passadori. Em agosto, participou do Seminário de Formadores de Palestrantes Credenciados do Museu da Inclusão, da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, do Governo do Estado de São Paulo. Também participará do "Encontro de Gerações" coordenado pela jornalista Flávia Cintra, de 15 a 18 de outubro. O evento preparará o primeiro documento da Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas. 
Referências: Revista D+: 
http://revistadmais.com.br/arte-musica-e-acao/. Depoimentos de alunos e colegas do prof. Maia: https://goo.gl/HE9WTs


 
Créditos
EQUIPE DE CONSULTORES, CURADORES, CONSELHEIROS, ARTISTAS E PARCEIROS

(Ordem alfabética)
   

  • Academia Atheniense de Arte e Cultura - São Luís - MA
  • Agenda 2030 do Plano de Ação das Américas, das Nações Unidas
  • Aline Fávaro
  • Alisson Daniel
  • Alexandre Faraco
  • APAE Ubatuba
  • APAE Caraguatatuba
  • APD (CER III – Sé) SUS - SP
  • Alessandra Bogajo
  • Ana Maria (Lia) Morales Crespo
  • Avani Vanzetto
  • Beit Yacov
  • Bruna Pitteri 
  • Carla Grião
  • Claudia Rosengarten Mauricio
  • Claudia Taveira
  • CEEJA – Dona Clara Mantelli
  • Colégio Rumo
  • Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) 
  • Crismere (Kika) Gadelha
  • Dany Yang
  • Defensoria Pública do Estado de São Paulo
  • Demian Maia
  • Deto Montenegro
  • Drogasil
  • Edilberto Romero
  • Eleide Tomaz da Silva
  • Eliana (Fopha) Filinto
  • Eliane Ortiz
  • Elza Ambrósio
  • Equiparar Treinamento e Projetos em Inclusão
  • Eron Pinheiro
  • Escola Projeto Vida
  • Evelyn Klein
  • Fernando Roberto Santini
  • Flavia Cintra
  • Francisco Alves
  • Gabrielle Carvalho
  • Gabrielle Tricanico
  • Giovanna Fabbrini
  • Hélio Fonseca
  • Hotel Parque dos Sonhos - Socorro/SP
  • Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC)
  • Instituto Olga Kos
  • Instituto Reinaldo Passadori
  • Instituto Yara Angelini (NEED)
  • Ivandel Alves
  • João Tomaz da Silva
  • José Ricardo Rodrigues
  • Kharina Maciel
  • Luciana Giffoni
  • Luciana Passadori
  • Maah Barbosa
  • Maira Ranzeiro
  • Márcio Bustamante
  • Maria de Lourdes Bistafa
  • Mariza Taguada
  • Marisilda Brochado
  • Memorial da Inclusão
  • NEED - Núcleo de Especialização e Estudo para o Deficiente Físico e Mental
  • Oficina dos Menestréis – Grupo UP
  • Pitú Leal
  • Possibilitar – São Luiz – MA
  • REDE ECOTV –Santo André
  • Reinaldo Passadori
  • Renato Bistafa
  • Ricardo Tanoeiro
  • Rosa Buccino
  • Rossana Rosengarten
  • Sandra Almeida
  • Sebastião Alves Barreto
  • Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo
  • Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência
  • Signus Editora
  • UNIBES




 

Coral NEED

CIDADES QUE ME DIZEM RESPEITO
Somos loucos de amores
Somos tudo de bom
Quem quiser vem com a gente
É só cantar, mesmo fora do tom

Não precisa saber sambar
Só precisa saber mexer
Não precisa saber tocar
Só precisa saber bater

Bater no coração de quem
Sabe que o amor está
Na cabeça de quem quiser
Te acompanhar

(Quem quiser pode vir)


FONTES de PESQUISAS, ÓRGÃOS PÚBLICOS, INSTITUIÇÕES, ASSOCIAÇÕES, ENTIDADES E AFINS.

11 DE OUTUBRO – DIA MUNDIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

 

Instituto Passadori
"O amor e o respeito entre todos os que convivem com pessoas com necessidades incomuns (hoje, denominados oficialmente PCD – pessoas com deficiência) é primordial. Eles ajudarão a enfrentar com dignidade o preconceito, as teses mirabolantes, a ignorância, o desamparo das políticas públicas, a demagogia, o desprezo e a natural hipocrisia que virão".

Em homenagem ao Dia Mundial das Pessoas com Deficiências, comemorado hoje (11/10), confira o artigo completo, preparado por nosso parceiro, 
Guto Maia, em nosso blog (Instituto Passadori) 


Cidades que me dizem respeito
EQUIPE TÉCNICA

Idealização/coordenação:
Guto Maia (José Augusto Maia Baptista)
RG 5.006.865-9
Pedro Rosengarten Baptista
RG 53.675.071-3

Assistente da coordenação:
Rossana Rosengarten

RG: 9.834.291-5

Consultor de comunicação:
Ivandel Alves

RG 7.702.670-6


Realização: 
Dois do Brasil 
www.doisdobrasil.com

Pessoa jurídica responsável: 

Produções Artísticas Guto Maia Ltda.me

CNPJ 17.305.088/0001-52


Contato:

Fones: 11 3313-4337 / 11 99378-4603
Whatsapp: 
11 99378-4603
E-mail: 
maiagutomaia@gmail.com

Palavras-chave: CONFIANÇA, MERCADO DE TRABALHO, INCLUSÃO.
Definição do Projeto em uma palavra: INFORMAÇÃO

Principal meio agregador: INFORMÁTICA (informação automática)
Principal finalidade: MERCADO DE TRABALHO

#doisdobrasil #pcd #pah #mercadodetrabalho #inclusao #cidadesquenosdizemrespeito #confianca


 



São Paulo, 26 de setembro de 2017.
www.doisdobrasil.com

PALESTRA DE LANÇAMENTO DO PROJETO:
Dia 26 de outubro de 2017, 
19 hs, Instituto Passadori, Av. Paulista, 726 - Bela Vista, SP - Tel: 
(11) 3488-1200

Confirme sua presença. Vagas limitadas.