ENSINO POR OUTRO CAMINHO.ENSINO POR OUTRO CAMINHO.

PROJETO DE ÉTICA ASSISTIVA e INTELIGÊNCIA SOLIDÁRIA  *Seguimos os preceitos da O.N.U. (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS) para promoção da dignidade da Pessoa com Deficiência e Afim

(Seus familiares, mediadores, tutores, mentores, profissionais assistentes, idosos e vulneráveis sociais). Nossos Objetivos: EDUCAÇÃO DE QUALIDADE e REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES


 

Dilemas e paradoxos da inteligência coletiva 

Guto Maia*

28/08/20 (Read in English) 

(diante do imponderável, imprevisível, imensurável)

O objetivo desse texto é traçar um paralelo comparativo entre o caos estrutural e anomia atuais causados pela Covid-19, em 2020; e a convulsão de valores ético-político-morais-sociais que aconteceu na transição da Era Moderna - marcada pela Revolução Industrial de 1760, e pelas revoluções Francesa e Americana -, para a Era Contemporânea (XIX).

 

Esta reflexão é um exercício dialético sobre como podemos comparar esses dois momentos históricos, referenciados analiticamente pelo viés das ideias positivistas comteanas e durkheimianas, nos primórdios da Sociologia como Ciência.

 

Podemos imaginar que a sociedade produz seus valores através de pesos e contrapesos geralmente gerenciados por uma elite social dominante, que apenas cede espaço quando não consegue mais manter os padrões de privilégios que as beneficia;

 

Historicamente, a moral no Brasil foi construída por famílias instruídas que normatizaram a exploração dos mais pobres e menos qualificados profissionalmente, mantendo resquícios do colonialismo e da escravidão que geram tanto preconceito em todos grupos sociais. Até bem pouco tempo (30, 40 anos atrás), ainda haviam locais no Brasil e no mundo que não permitiam a entrada de pretos, e ter empregados domésticos com "filhos de criação", também sempre foi um ato socialmente aceito pelas elites.

 

Às mulheres, não era incentivado o estudo depois de adultas. A discussão de gênero era um tabú, assim como todos os assuntos que atentassem aos valores e costumes de cada época. Sempre convivemos com a demagogia e hipocrisia social, o que gera a dissimulação e o cinismo instituído. Há uma moral oficial e outra sub-reptícia, com padrões absolutamente dúbios para as crianças, quando estas começam a entender as incoerências sociais primárias na sua criação, como, por exemplo, adultos fumarem e dizerem para a criança nunca fazê-lo, porque faz mal (!)

 

As religiões tentaram o monopólio da moral, mas como cúmplices do poder colonizador acabaram banalizando a própria moral, tendo pouca ascensão entre os mais jovens. Tivemos tempos obscuros de coronelismos e autoritarismo militar. Esse caldo resultou numa classe política corrupta, que pouco pensa coletivamente, e a moral torna-se relativa a cada meio social, sendo inclusive associada à permissividade de uma hipocrisia instituída.

 

O conceito de Deus foi banalizado pelo seu uso desonesto por parte das religiões e seitas. "Jesus Cristo", nem se fala! O jogo do poder do dinheiro em nome da fé desses segmentos escancarou o cinismo e criou um monte de descrentes, desalentados e desiludidos.

 

Em geral "valores" e "moral"  são associados ao tradicional/conservador. Mas, talvez isto seja uma verdade absoluta. Valor e moral podem ser reconstruídos e revisados permanentemente em contraponto aos vícios da educação autoritária a que muitos dos nossos pais e avós foram submetidos, com a falsa ideia da disciplina e ordem social. Somos todos vítimas dessa educação distorcida que se perpetua por décadas.

 

Podemos acreditar que a moral se forma sobretudo na ética, na discussão dos valores, nos princípios solidários e na generosidade humana aplicada, baseados no diálogo aberto, na aceitação do contraditório e no respeito às ideias divergentes. Nesse sentido, a diversidade valorizada eleva o conceito de moral vigente. Daí, sairão os líderes gestores públicos, a partir do equilíbrio do jogo político. Digamos que estes são os desígnios do bom senso comum para todos que acreditam que, ideologicamente, o melhor para organizar o convívio social sejam os combinados do sistema democrático.

 

Médicos, enfermeiros, bons jornalistas, intelectuais e influenciadores respeitosos à Ciências, têm-se demonstrado exemplos práticos de dignidade, durante a atual pandemia que nos agonia.

 

Sociedade com padrão moral forte, é, de fato, o segredo do sucesso de uma sociedade? Sem dúvida é. Quando olhamos para países onde os seus gestores têm real apreço e espírito de representação dos seus cidadãos, como se fossem todos seus próprios filhos, os resultados são melhores diante das intempéries, por mais graves que sejam, e a sociedade cresce como um corpo coeso nessa lição, e supera mais rapidamente qualquer sofrimento. Uns cuidam dos outros. Isso seria, talvez, o espírito mais nobre para uma a sociedade ideal.

 

Sociologia de Durkheim, e os positivistas.Sociologia de Durkheim, e os positivistas.Faz-se necessário compreender cientificamente o contexto histórico que propiciou que fossem gestadas as primeiras teorias da nova ciência que surgia, a Sociologia, na transição da Idade Moderna e a Contemporânea; metodizada pela primeira vez por August Comte com inspiração no positivismo, que aceitava apenas o realvisível e palpável. Suas teorias difundidas por seus alunos encontravam forte resistência dos intelectuais conservadores pré-iluministas, que defendiam a religião e os militares para melhor disciplina da sociedade.

 

Émile Durkheim, um dos discípulos de Comte, foi o que mais se destacou, aperfeiçoando as ideias do mestre, criando teorias importantes como a Consciência Coletiva e IndividualSolidariedade Orgânica e MecânicaFato Social; e apresentando o conceito de Anomia, encontrado em suas principais obras: “Suicídio” (1897) e “Da Divisão Social do Trabalho” (1893).

 

De acordo com a concepção de Durkheim, a anomia social acontece com base na ausência de normas sociais e morais que sirvam de “guia” para a sociedade. Podemos considerar que, em certa medida, estamos nessa linha tênue de dubiedade de valores morais contraditórios e refratários.

 

Assistimos hoje a uma clara ruptura social. Nota-se que a pandemia atual que nos assola a partir de 2020, veio desestruturar de forma inimaginável os valores ético-políticosmorais, infraestruturais e financeiros do planeta todo, causando medo, matando sonhos, adiando projetos, exacerbando as diferenças sociais, étnico-culturais, raciais, de classe, gênero, aflorando relações rancorosas, cheias de ódio, preconceitos, contradições e paradoxos; chegando a um momento limite em que, inexoravelmente, novas possibilidade de relação e convivência surgirão apontando para uma nova ordem social, a ser construída necessariamente com muito diálogo, debates e negociação conflituosa.

 

Ao traçarmos um paralelo comparativo, assim como na transição para a Era Moderna para a Contemporânea (Séc. XIX), vivemos hoje uma explosão polarizada entre os que confiam na ciência e os que a negam veementemente, por incrível que pareça, demonstrando total falta de comprometimento - e até mesmo boicotando os imprescindíveis e inevitáveis progressos científicos.

 

Surpreendentemente, uma imensa quantidade de indivíduos deixa claro o seu desprezo pela inteligência coletiva ao propor revisionismos históricos tendenciosos, demonstrando absoluta falta de solidariedade e empatia humanas, num momento tão conturbado da história da humanidade, especialmente para o Brasil, que hoje (09 de agosto de 2020), ainda está muito longe de alcançar o controle de uma crise sanitária grave que assola o mundo, chegando a 100 mil mortos pela Covid-19, em dados oficiais,

 

É urgente no Brasil um debate de ideias ético-políticas que envolvam cidadãos de todas áreas que confiam na Ciência, para apoio aos jovens cientistas pesquisadores, que serão o suporte para que a gestão pública tome as melhores decisões a respeito da saúde física, mental e financeira da nossa população.

 

Segundo as estimativas, a população mundial atingirá 9,7 bilhões de habitantes em 2050. O Brasil alcançara 97 milhões de idosos nos próximos 30 anos, e terá uma população total de 238 milhões. Pessoas com deficiências físicas intelectuais e sensoriais estarão nesse espectro de mais de 60% do total. Ou seja, mais da metade da nossa população será composta por indivíduos que necessitarão de alguma assistência especializada e cuidados profissionais.

 

Essa consciência desse futuro próximo, pode abrir uma discussão importante sobre a nossa responsabilidade de contribuir na formação dos novos gestores das políticas públicas realmente comprometidos com valores sólidos de caráter, inspirados na moral social elevada e na solidariedade humana. A crença nessa utopia, pode nos ajudar a superar intelectualmente esse momento de grande dor coletiva pela qual passamos. Podemos contribuir, assim como fizeram os precursores da Sociologia, qualificando esse debate a partir do aprendizado que esse momento de sofrimento nos dá a todos indistintamente.

 

E, nos permitirmos sonhar com uma sociedade mais inteligente e solidária.

 

 

*Guto Maia - José Augusto Maia Baptista

Gestor educacional

 


 

 @dilemas @paradoxos  @inteligência

 

     PARCERIA CADERNO TÉCNICO

Revista ReaçãoRevista Reação                         A MAIOR PUBLICAÇÃO NACIONAL DE PRODUTOS, SERVIÇOS E TECNOLOGIA ASSISTIVA

 

 Acesse todas as Edições

 


 

 1ª ESCOLA DO PENSAMENTO FORA DO PADRÃO - ENSINO POR OUTRO CAMINHO

ENSINO POR OUTRO CAMINHOENSINO POR OUTRO CAMINHO

 

1º CONGRESSO DA PESSOA FORA DO PADRÃO 

CONVITE CONCRESSO INTERNACIONAL DA PESSOA FORA DO PADRÃOCONVITE CONCRESSO INTERNACIONAL DA PESSOA FORA DO PADRÃO

 

  


  

        ENSINO POR OUTRO CAMINHO - A 1º ESCOLA DO PENSAMENTO FORA DO PADRÃO
                                                                       www.doisdobrasil.com

 

Memorial da InclusãoMemorial da Inclusão 

PORTFÓLIO INOVAÇÃO, CIÊNCIA & TECNOLOGIA

PROGRAMA MISSÃO EDUCAR (apresentador: psicólogo DIRCEU MOREIRA) - Dia 08.07.2019
Tema: O Universo da Pessoa com Deficiência
Convidado: Prof. JOSÉ AUGUSTO MAIA BAPTISTA (Guto Maia)
Criador da 1º ESCOLA DO PENSAMENTO FORA DO PADRÃO - ENSINANDO POR OUTRO CAMINHO
Pesquisador, Mentor de Jovens Cientistas e Líder Curador de Coletivos voltados à causa sócio educativa da Pessoa com Deficiência.
 

Tá pelada a coruja! Termo do RS para dizer: ESTÁ FEITO!Tá pelada a coruja! Termo do RS para dizer: ESTÁ FEITO!


Currículo LattesCurrículo LattesAtualize

Prof. GUTO MAIA - José Augusto Maia Baptista
Membro da Comunidade de Talentos da ONU (2021/23) 
Professor, Pesquisador em Desenvolvimento Humano, Reabilitação, Inovação, Ciência e Tecnologia Assistiva,
Ênfase nos Estudos do Cérebro da Pessoa com Deficiência e Afim.
Fundador da 1ª ESCOLA DO PENSAMENTO FORA DO PADRÃO - PROJETO ENSINO POR OUTRO CAMINHO

Currículo resumido / Currículo detalhado

LATTES: https://lattes.cnpq.br/6424194985117315

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5694-4460

 

PEDRO ROSENGARTEN BAPTISTA 

LATTES: https://lattes.cnpq.br/5408798786190284 

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3394-8634

 

PROJETO ENSINO POR OUTRO CAMINHO

Artigo REVISTA REAÇÃO: 

A CIÊNCIA é a maior CRIAÇÃO da Humanidade https://tinyurl.com/35pxack6

Palestra idealizador: https://youtu.be/G9OMLVwozDk
Textos científicos e Afins: https://doisdobrasil.com/textos/
Armazenamento GOOGLE: https://tinyurl.com/aa9ufmnd
Site Oficial: www.doisdobrasil.com
 

 ONUONU

 MEMBRO DA COMUNIDADE DE TALENTOS ONU

 https://orcid.org/0000-0002-5694-4460

 


 

Prof. GUTO MAIA - JOSÉ AUGUSTO MAIA BAPTISTA 
LATTES: https://lattes.cnpq.br/5408798786190284 

ORCID: Professor Pesquisador Membro da Comunidade de Talentos da ONU

Prof. PEDRO ROSENGARTEN BAPTISTA 
LATTES: https://lattes.cnpq.br/5408798786190284 

ORCID: Educador Social, Palestrante, Autista, Graduando Ciências Sociais UNINOVE
UA-12170444-1