CONSELHO DE NOTÁVEIS

Quem já viveu tudo antes, pode nos ajudar a errar menos no futuro. Precisaremos muito de bons conselhos e colo.
O nosso Conselho de Notáveis https://www.doisdobrasil.com/lidere.../conselho-de-notaveis/, é formado por líderes acima de 60 anos, de reputação pública reconhecida e  inquestionável.
Eles seguram a lanterna que iluminará os caminhos mais difíceis da Travessia da Década da Reabilitação que teremos pela frente, que promete momentos de crie ética e muita insanidade.
O Conselho nos ajudará a reescrever o bê-á-bá, a partir das distorções criadas por tantas promessas de caminhos que se demonstraram carregados de erros e armadilhas.
O conhecimento profundo da linguagem, da nossa Língua Portuguesa, terminologias; será fundamental para travarmos uma guerra fora do padrão, com argumentos potentes, convincentes, usando armas de construção em massa: Comunicação, Expressão, Informação, Retórica, Dialética, Semiótica, fazendo valer os nossos direitos e a nossa dignidade para enfrentar líderes intelectualmente inescrupulosos.
Levaremos os nossos argumentos/desabafos para o mais longe possível. A saúde mental nunca foi um bem tão valioso como hoje a ser cuidado. As novas gerações precisarão muito disso para conseguir entender a insanidade em que o mundo está mergulhado.
Por isso, é sempre bom dar Boas Vindas às pessoas que fizeram a diferença para melhor na vida de tanta gente por tantas décadas.
 
Bem-vindas(os)!
@gutomaiabaptista/ @nonecolarizado2015/
www.doisbrasil.com
Whatsapp 5511 993784603

Teda PellegriniTeda Pellegrini

Dirceu MoreiraDirceu Moreira

Gaetano Brancati LuigiGaetano Brancati Luigi

Lia CrespoLia Crespo

Marta GilMarta Gil

Ken KenekoKen Keneko

Maria de MeloMaria de Melo

Gilza Moura PedrosaGilza Moura Pedrosa

 


Enviado por Teda Pellegrii
Me chamem de velha
por ELIANE BRUM
08/03/2014
A velhice sofreu uma cirurgia plástica na linguagem.
Na semana passada, sugeri a uma pessoa próxima que trocasse a palavra “idosas” por “velhas” em um texto. E fui informada de que era impossível, porque as pessoas sobre as quais ela escrevia se recusavam a ser chamadas de “velhas”: só aceitavam ser “idosas”. Pensei: “roubaram a velhice”. As palavras escolhidas – e mais ainda as que escapam – dizem muito, como Freud já nos alertou há mais de um século. Se testemunhamos uma epidemia de cirurgias plásticas na tentativa da juventude para sempre (até a morte), é óbvio esperar que a língua seja atingida pela mesma ânsia. Acho que “idoso” é uma palavra “fotoshopada” – ou talvez um lifting completo na palavra “velho”. E saio aqui em defesa do “velho” – a palavra e o ser/estar de um tempo que, se tivermos sorte, chegará para todos.
Desde que a juventude virou não mais uma fase da vida, mas uma vida inteira, temos convivido com essas tentativas de tungar a velhice também no idioma. Vale tudo. Asilo virou casa de repouso, como se isso mudasse o significado do que é estar apartado do mundo. Velhice virou terceira idade e, a pior de todas, “melhor idade”. Tenho anunciado a amigos e familiares que, se alguém me disser, em um futuro não tão distante, que estou na “melhor idade”, vou romper meu pacto pessoal de não violência. O mesmo vale para o primeiro que ousar falar comigo no diminutivo, como se eu tivesse voltado a ser criança. Insuportável.
A velhice é o que é. É o que é para cada um, mas é o que é para todos, também. Ser velho é estar perto da morte. E essa é uma experiência dura, duríssima até, mas também profunda. Negá-la é não só inútil como uma escolha que nos rouba alguma coisa de vital. Semanas atrás, em um programa de TV, o entrevistador me perguntou sobre a morte. E eu disse que queria viver a minha morte. Ele talvez não tenha entendido, porque afirmou: “Você não quer morrer”. E eu insisti na resposta: “Eu quero viver a minha morte”.
Na adolescência, eu acalentava a sincera esperança de que algum vampiro achasse o meu pescoço interessante o suficiente para me garantir a imortalidade. Mas acabei aceitando que vampiros não existem, embora circulem muitos chupadores de sangue por aí. Isso só para dizer que é claro que, se pudesse escolher, eu não morreria. Mas essa é uma obviedade que não nos leva a lugar algum. Que ninguém quer morrer, todo mundo sabe. Mas negar o inevitável serve apenas para engordar o nosso medo sem que aprendamos nada que valha a pena.
A morte tem sido roubada de nós. E tenho tomado providências para que a minha não seja apartada de mim. A vida é incontrolável e posso morrer de repente. Mas há uma chance razoável de que eu morra numa cama e, nesse caso, tudo o que eu espero da medicina é que amenize a minha dor. Cada um sabe do tamanho de sua tragédia, então esse é apenas o meu querer, sem a pretensão de que a minha escolha seja melhor que a dos outros. Mas eu gostaria de estar consciente, sem dor e sem tubos, porque o morrer será minha última experiência vivida. Acharia frustrante perder esse derradeiro conhecimento sobre a existência humana. Minha última chance de ser curiosa.
Há uma bela expressão que precisamos resgatar, cujo autor não consegui localizar: “A morte não é o contrário da vida. A morte é o contrário do nascimento. A vida não tem contrários”. A vida, portanto, inclui a morte. Por que falo da morte aqui nesse texto? Porque a mesma lógica que nos roubou a morte sequestrou a velhice. A velhice nos lembra da proximidade do fim, portanto acharam por bem eliminá-la. Numa sociedade em que a juventude é não uma fase da vida, mas um valor, envelhecer é perder valor. Os eufemismos são a expressão dessa desvalorização na linguagem.
Não, eu não sou velho. Sou idoso. Não, eu não moro num asilo. Mas numa casa de repouso. Não, eu não estou na velhice. Faço parte da melhor idade. Tenho muito medo dos eufemismos, porque eles soam bem intencionados. São os bonitinhos mas ordinários da língua. O que fazem é arrancar o conteúdo das letras que expressam a nossa vida. Justo quando as pessoas têm mais experiências e mais o que dizer, a sociedade tenta confiná-las e esvaziá-las também no idioma.
Chamar de idoso aquele que viveu mais é arrancar seus dentes na linguagem. Velho é uma palavra com caninos afiados – idoso é uma palavra banguela. Velho é letra forte. Idoso é fisicamente débil, palavra que diz de um corpo, não de um espírito. Idoso fala de uma condição efêmera, velho reivindica memória acumulada. Idoso pode ser apenas “ido”, aquele que já foi. Velho é – e está. Alguém vê um Boris Schnaiderman, uma Fernanda Montenegro e até um Fernando Henrique Cardoso como idosos? Ou um Clint Eastwood? Não. Eles são velhos.
Idoso e palavras afins representam a domesticação da velhice pela língua, a domesticação que já se dá no lugar destinado a eles numa sociedade em que, como disse alguém, “nasce-se adolescente e morre-se adolescente”, mesmo que com 90 anos. Idosos são incômodos porque usam fraldas ou precisam de ajuda para andar. Velhos incomodam com suas ideias, mesmo que usem fraldas e precisem de ajuda para andar. Acredita-se que idosos necessitam de recreacionistas. Acredito que velhos desejam as recreacionistas. Idosos morrem de desistência, velhos morrem porque não desistiram de viver.
Basta evocar a literatura para perceber a diferença. Alguém leria um livro chamado “O idoso e o mar”? Não. Como idoso o pescador não lutaria com aquele peixe. Imagine então essa obra-prima de Guimarães Rosa, do conto “Fita Verde no Cabelo”, submetida ao termo “idoso”: “Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam…”.
Velho é uma conquista. Idoso é uma rendição.
Como em 2012 passei a estar mais perto dos 50 do que dos 40, já começo a ouvir sobre mim mesma um outro tipo de bobagem. O tal do “espírito jovem”. Envelhecer não é fácil. Longe disso. Ainda estou me acostumando a ser chamada de senhora sem olhar para os lados para descobrir com quem estão falando. Mas se existe algo bom em envelhecer, como já disse em uma coluna anterior, é o “espírito velho”. Esse é grande.
Vem com toda a trajetória e é cumulativo. Sei muito mais do que sabia antes, o que significa que sei muito menos do que achava que sabia aos 20 e aos 30. Sou consciente de que tudo – fama ou fracasso – é efêmero. Me apavoro bem menos. Não embarco em qualquer papinho mole. Me estatelei de cara no chão um número de vezes suficiente para saber que acabo me levantando. Tento conviver bem com as minhas marcas. Conheço cada vez mais os meus limites e tenho me batido para aceitá-los. Continua doendo bastante, mas consigo lidar melhor com as minhas perdas. Troco com mais frequência o drama pelo humor nos comezinhos do cotidiano. Mantenho as memórias que me importam e jogo os entulhos fora. Torço para que as pessoas que amo envelheçam porque elas ficam menos vaidosas e mais divertidas. E espero que tenha tempo para envelhecer muito mais o meu espírito, porque ainda sofro à toa e tenho umas cracas grudadas à minha alma das quais preciso me livrar porque não me pertencem. Espero chegar aos 80 mais interessante, intensa e engraçada do que sou hoje.
Envelhecer o espírito é engrandecê-lo. Alargá-lo com experiências. Apalpar o tamanho cada vez maior do que não sabemos. Só somos sábios na juventude. Como disse Oscar Wilde, “não sou jovem o suficiente para saber tudo”. Na velhice havemos de ser ignorantes, fascinados pelas dimensões cada vez mais superlativas do que desconhecemos e queremos buscar. É essa a conquista. Espírito jovem? Nem tentem.
Acho que devíamos nos rebelar. E não permitir que nos roubem nem a velhice nem a morte, não deixar que nos reduzam a palavras bobas, à cosmética da linguagem. Nem consentir que calem o que temos a dizer e a viver nessa fase da vida que, se não chegou, ainda chegará. Pode parecer uma besteira, mas eu cometo minha pequena subversão jamais escrevendo a palavra “idoso”, “terceira idade” e afins. Exceto, claro, se for para arrancar seus laços de fita e revelar sua indigência.
Quando chegar a minha hora, por favor, me chamem de velha. Me sentirei honrada com o reconhecimento da minha força. Sei que estou envelhecendo, testemunho essa passagem no meu corpo e, para o futuro, espero contar com um espírito cada vez mais velho para ter a coragem de encerrar minha travessia com a graça de um espanto.
Fonte: Revista Época
--------------------------------------------------------------------------
O nosso Conselho de Notáveis do NESA Brasil, https://www.doisdobrasil.com/lidere.../conselho-de-notaveis/, é formado por líderes acima de 60 anos, de reputação pública reconhecida e  inquestionável.
 
1a. Escola do Pensamento Fora do Padrão / Ensino por Outro Caminho / NESA Brasil

Assessoria presencial e remota para assuntos de multideficiências, suporte através de palestras, bate-papos, aulas, atendimentos, criação de conteúdos online e organização de eventos. 

Nossas referências:

Líderes mundiais: https://tinyurl.com/54s2v73w

Mulheres Fortes: https://tinyurl.com/59fnsu8d

Conselho de notáveis: https://tinyurl.com/36mrnapr

Nosso site: www.doisdobrasil.com

EDUCAÇÃO PARA CONVÍVIO DIGNO: PROTOCOLOS / AÇÕES / SOLUÇÕES / EVENTOS

Whatsapp: 5511 993784603  

Desenvolvimento Humano, Reabilitação, Inovação, Ciência e Tecnologia Assistiva

#desenvolvimento #diversidade #TCC #liderança #foradopadrao

 
 

NOSSO TIME

MENTORIA EM TECNOLOGIA 

Joyce RochaJoyce Rocha

Accessibility Analyst na empresa Google  |   Site: linktr.ee/joyrocha (Portfólio)

Caio Henrique RomeroCaio Henrique Romero

 Porta-voz do nosso projeto, escritor, digital influencer, fundador do DCH

Guto e PedroGuto e Pedro

Pedro Rosengarten Baptista e Guto Maia


IDEALIZADORES

 

Prof. Guto Maia PesquisadorProf. Guto Maia Pesquisador

Prof. Guto Maia (José Augusto Maia Baptista) 

Professor, Pesquisador do Desenvolvimento Humano, Reabilitação, Inovação, Ciência e Tecnologia Assistiva.

Graduando em Ciências Sociais / Fundador da 1ª Escola do Pensamento Fora do Padrão / 

NESA Brasil - Núcleo de Ensino Superior Adaptado / Instituto Ensino por Outro Caminho / 

Organizador  do 1º Congresso Internacional do Pensamento Fora do Padrão / 

Líder do projeto Tecnologia para Humanidade / 

Idealizador da Travessia da Década da Reabilitação (2022 > 2032),

Líder de mais de uma centena de pesquisadores internacionais / Talentos ONU /

Colunista / colaborador da REVISTA REAÇÃO e do PROGRAMA MISSÃO EDUCAR . UPTV /

Membro da Comunidade de Talentos ONU 2021/23 /

Prêmio Marco da Paz, da Associação Comercial de São Paulo, homenageado no Dia do Professor, na Câmara Municipal de São Paulo, 2019 /

ID Pesquisador ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5694-4460 

Linktree: https://linktr.ee/prof.gutomaia 

Portfólio: https://doisdobrasil.com/pessoa-fora-do-padrao/portfolio/ 

Lattes: https://lattes.cnpq.br/6424194985117315 

Facebook: https://www.facebook.com/guto.maia/   

Instagram: https://www.instagram.com/gutomaiabaptista/ 

Twitter: https://twitter.com/maiagutomaia 

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/gutomaiabaptista 

E-mail: maiagutomaia@gmail.com

Whatsapp: 11 993784603 

 


 

Pedro RosengartenPedro Rosengarten

Pedro Rosengarten Baptista 

Pessoa com Deficiência (autismo) / Atuante na Causa da Pessoa com Deficiência / 

Graduando em Ciências Sociais Licenciatura /  Líder de Inovação e Comunicação Assistiva do NESA BRASIL / 

Palestrante Credenciado do Museu da Inclusão - São Paulo /

Pesquisador de tribos africanas / 

Membro Comunidade Talentos ONU /

Prêmio Marco da Paz Inclusão Sem Limite – ACSP, no Memorial da américa Latina Museu da Inclusão, 2018 /

ID Pesquisador ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3394-8634

Linktreehttps://linktr.ee/pedrorosengartenbaptista

Lattes:  https://lattes.cnpq.br/5408798786190284

Facebookhttps://www.facebook.com/pedrorosengarten

Instagramhttps://www.instagram.com/nonecolarizado2015/

E-mail: pedrobaoba@gmail.com

Whatsapp: 11 993784603 

 

Mídias Sociais

UA-12170444-1